Pure Hate: nesta quarta-feira tem entrevista do vocalista Pedro Eduardo ao canal de YouTube, “DomMarcito”

O vocalista Pedro Eduardo, dono de um dos guturais mais poderosos do Metal brasileiro e frontman do Pure Hate, é o convidado para um bate-papo ao vivo no canal de YouTube “DomMarcito”, que vem se destacando por sua ajuda e abertura a vários artistas da música independente.

A conversa entre Pedro e DomMarcito será incluso no quadro “Esse Som é a Minha Cara” e irá ao ar pontualmente às 21horas e 05minutos. A banda Pure Hate está trabalhando nas gravações de músicas e vídeos inéditos, que muito em breve serão apresentados aos fãs.

Para saber mais sobre o grupo e ficar antenado nestas e outras novidades, não perca o bate-papo desta próximo quarta-feira. Link do canal DomMarcito abaixo:

https://www.youtube.com/user/dommarcito

Ouça o Pure Hate pelo Spotify:

Pure Hate é formado por:
Pedro Eduardo – Vocal/Guitarra
Luiz Ferreira – Guitarra
Daniel Sarmento – Baixo
Hudson Feitosa – Bateria

Mais informações:
https://www.instagram.com/purehate_band/
https://web.facebook.com/pure.hate.39

Vulcano: banda é destaque na playlist “Império do Metal” do Spotify, ouça agora!

O atual álbum dos paulistas do Vulcano, “Eye In Hell”, não para de ganhar destaque e desta vez está em uma das maiores playlists de Heavy Metal feitas pela plataforma Spotify: a “Império do Metal”.

Isso mesmo, com nomes como Viper, Sepultura, Creptum, Krisiun, Iron Maiden e outros, a banda figura com a faixa “Sinister Road” na compilação que já coleciona aproximadamente 40 mil curtidas na plataforma e pode ser conferida na íntegra:

Em paralelo, já está disponível para audição online a edição #49 do Programa Sangue Frio Produções, onde Zhema Rodero, guitarrista e fundador do Vulcano, fala um pouco mais sobre este momento da banda durante a pandemia, parceria com a Mighty Music e seu próximo trabalho, projetos futuros e mais, ouça: https://www.mixcloud.com/SangueFrioProducoes/programa-sfp49-especial-vulcano-eye-in-hell/

Encontre-os nas principais plataformas de streaming e download do mundo com apenas um clique, acesse: https://li.sten.to/EyeInHell

Imprensa interessada em receber o material completo da banda para resenhas e/ou entrevistas escreva para contato@sanguefrioproducoes.com ou diretamente pelo WhatsApp/Telegram pelo número (46) 98838-7204 e solicite o press kit.

Contato para assessoria de imprensa: www.sanguefrioproducoes.com/contato

Mais informações:
https://www.facebook.com/VULCANOMETAL
http://www.vulcanometal.com/
https://www.sanguefrioproducoes.com/bandas/Vulcano/20

Setfire: entrevista para a renomada Roadie Crew e presença em coletânea do Underground Extremo

A banda Setfire volta a figurar na renomada Revista Roadie Crew. Desta vez a banda aparece em uma excelente entrevista mediada por João Messias Jr, na edição #259.

Na entrevista, o vocalista Artur Morais fala sobre o álbum de estreia “Spots of Blood” lançado em 2020, meios de divulgação do material, aceitação do público e críticas positivas da mídia especializada. O vocalista também revelou as inspirações e influências da banda durante esses 11 anos de estrada.

A edição #259 da Roadie Crew pode ser adquirida em bancas de jornais e pelo site oficial da revista em https://roadiecrew.com/

O Setfire também está presente na “Coletânea Underground Extremo”. A banda aparece com a música “Paralyzed”, ao lado de nomes como Oldlands, Válvera, Malkuth, Behavior, Crucfixion BR, Les Mémoires Fall entre outras. São 60 bandas participantes na coletânea.

A arte da capa foi desenvolvida pelo artista Gesiel Coelho.

Baixe e ouça agora a primeira edição da “Coletânea Underground Extremo”: https://www.mediafire.com/folder/1gh263e5s2svu/Underground+Extremo+-+06+anos

Paralelamente, o Setfire está confirmado no “Strength Metal Fest” – edição online. O festival acontecerá nos dias 18-19 e 20 de abril. Uma parceria entre o Heavy Metal On Line, EM Music Management, Metal no Papel, Studio Roots e Sins Underground.

Setfire é formado por:
Artur Morais – Vocal
Fernando Ferre – Guitarra
Michael Souza – Guitarra
Lucas Bernandes – Baixo
Nikolas Marcantonatos – Bateria

Mais informações:
Facebook: https://www.facebook.com/setfireofficial/
Instagram: https://www.instagram.com/setfire_official/
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCtag4-PJd6INfj7RMi5AdqQ

Carranza: mostra seus 21 anos de história em novo disco e segue forte como uma das grandes bandas do underground brasileiro

Banda lançou um compilado de música inéditas no streaming pelo selo Electric Funeral Records

O Carranza lançou recentemente o disco “Sendra Exordial”, que contém músicas que fizeram parte de demos e eps lançados entre 1999 e 2003 (Liberdade, Ultraseven Nordestino e Corpo Fechado), e que nunca haviam sido lançadas em plataformas digitais e aplicativos de música. As faixas demonstram a essência da primeira fase da banda no início de seu fervor criativo e contestador.

A banda formada por Cláudio Bastos e Harrysson Moura nos vocais; Rafael Mariano na guitarra, Chico Tchê no baixo; e Willson Durand na bateria e efeitos, teve a ideia de lançar o compilado que contém músicas que foram regravadas após a volta em 2015 como “Samba do Caos”, mas trazendo também músicas do início do grupo, tais como, “Sem Paz” e “Pânico”, faixas carregadas de críticas sociais e reflexões humanas que já fervilhavam na cabeça do letrista Claudio Bastos lá no início do século.

Além destas também fazem parte da coletânea “Sina” e “Engrenado” que mostram os primeiros flertes da banda com outros ritmos mais regionais, “Tradição” que traz em seus versos um tratado sobre o respeito entre os povos do mundo e “Contramão”, que era a alegria das rodas de pogo em Pernambuco no início dos anos 2000.

O compilado que foi lançado pelo selo Electric Funeral Records é só uma prévia do que estar por vir no ano de 2021. Carranza em breve lançará novo material e segue forte como uma das grandes bandas do underground brasileiro, tendo uma história marcante dentro da cena alternativa. Conversamos com a banda sobre sua trajetória, influências musicais, processo de composição, entre outras curiosidades. Confira a entrevista abaixo.

De onde surgiu esse nome “Carranza”?

A banda se chamava Los Miguelitos, e tinha uma pegada mais punk rock, só que com o tempo estávamos fazendo um som cada vez mais pesado e com cada vez mais conteúdo social, o nome da banda não estava mais combinando com o tipo de som, então fomos na biblioteca da escola técnica onde estudávamos e formamos a banda e pegamos uma enciclopédia sobre a história do México, queríamos manter essa estética hermana e lá vimos esse nome que era o sobrenome dopresidente do México que instituiu a primeira constituição livre do país”.

Como e quando a banda surgiu?

A banda surgiu na Escola Técnica Federal de Pernambuco em 1996, que tinha um movimento musical e de cultura muito forte, tinham muitas calouradas, festivais e começamos tocando bastante lá, logo depois fomos saindo e conseguindo espaço em bares e festivais fora da escola”.

A banda acaba de lançar uma super compilação com músicas inéditas gravadas ao longo dos 21 anos de carreira que não estavam disponíveis para audição nas plataformas de streaming. Como foi o processo de composição e gravação dessas faixas quando foram lançadas em mídia física a alguns anos atrás?Essas músicas foram compostas e gravadas entre 1999 e 2003, com diversas formações, mas a base alí era eu (Cláudio) na voz, Roberto II na guitarra, Paulo Duarte no baixo e Daniel Barkokebas na bateria. Mas tem uma versão de Samba do Caos com Pompi cantando, numa fase em que eu tinha saído da banda. São basicamente de 3 eps Liberdade, Ultra Seven Nordestino e Corpo Fechado.

O disco foi muito bem recebido nos de sites de música especializada do país. Como a banda está vendo esse feedback tão positivo do material lançado?

“Para nós, qualquer feedback é importante, uma pergunta, um elogia, um conselho, todo esse tipo de interação com público e crítica é muito importante, somos uma banda de verdade que gosta de verdade nas coisas que faz, independente de mercado, agradar b ou c com coisas forçadas e que não façam parte de nossa essência, que é de passar mensagens positivas pras pessoas, fazer com que elas pensem, se sintam capazes de vencer as dificuldades por mais que seja difícil”.

Suas músicas demonstram muita intensidade e entrega por parte da banda. Existe alguma composição que seja mais especial para vocês?  

Toda música tem o seu porque, tem uma história por trás, por isso até fizemos um Faixa a Faixa, falando delas, que tá disponível em nosso canal no youtube, mas eu particularmente tenho um carinho grande por algumas delas por entender, que naquele momento eu fui feliz em conseguir expressar de maneira entendível o que eu estava sentindo e buscando dizer. Um grande exemplo delas é o Tempo Cego, que fala de vitórias, das nossas pequenas vitórias no dia a dia que nos fazem ter forças para seguir em frente, em busca de nossos objetivos”.

Quais as bandas e fontes artísticas que inspiram o som do Carranza?

A respeito de música, é bem amplo e a cada dia fica mais, hehehe. Eu escuto de tudo mas fora o Hardcore meu ritmo favorito é o samba, ainda sonho em gravar um disco de samba, tem até uma homenagem a Dona Ivone Lara que fiz na música Salve! Harryson ouve muito hip hop, Rafael, nossa guitarra é meio metaleiro; Chico o baixista curte muito reggae e dub e Willson, o batera é o doido da hard core curte Pense, Dead Fish e outras bandas gringas.”

Como vocês estão lidando com a pandemia de covid 19? Que tipo de interação a banda está tendo com o público nesse momento de pandemia?

Tá sendo bem difícil esse período sem ensaios, sem compor, tá foda. Em 2020, fiz um programa semanal no nosso instagram o Trocando Ideia Live Livre onde em dez programas conversei com alguns amigos como Rhossi do Pavilhão 9, Cannibal da Devotos, China, Lê do Gritando HC entre outros, depois disso fizemos o Faixa a Faixa no Youtube, e no final do ano lançamos a coletânea, a Sendra Exordial, tipo foi o que deu pra fazer. Não podemos vacilar com esse vírus desgraçado, não dá pra fazer piada, levar na brincadeira como muitos levam. Buscamos nesse período diversas maneiras de criar de se renovar, mas é muito difícil, porém tamo aqui com o mais importante nesse momento que é nossa saúde”.

Podemos esperar material inédito em breve?

Estamos tentando compor algo via internet, uma batida aqui, to fazendo umas letras, mas é bem difícil se adaptar a isso, somos todos ratos de estúdio, lá dentro que a coisa funciona.”

Quais os planos para 2021?

Aprovamos no edital um orçamento para produzirmos uma live agora em janeiro, tem material novo chegando de merchan, camisa, boné e o jersey que lançamos em homenagem aos 20 anos, e nossa maior aposta é na parceria com a Eletric Funeral que vai relançar o A Lenda do Homem que engoliu o Sol, nosso último disco e trabalhar ele de maneira mais efetiva e profissional.Fora isso acho que nosso maior plano é nos vacinarmos e voltarmos a tocar o mais rápido possível”.

Confira “Sendra Exordial”:

Mais informações:
facebook.com/collapseagency
www.instagram.com/collapseagency
www.collapseagency.com.br
Phone: +55 21 996292220

Requiem’s Sathana: Rex Mendax irá participar de live do Rebel Rock

O Fundador, baixista e letrista do Requiem’s Sathana, Rex Mendax, irá participar da live do Rebel Rock no dia 09 de dezembro. A banda lançou em 2020 seu primeiro trabalho, que está recebendo ótimas críticas pelos meios de comunicação especializados ao redor do mundo.

Nessa conversa, vários assuntos sobre o presente e futuro da banda serão abordados e você poderá acompanhar pelo instagram do Rebel Rock.

http://www.instagram.com/rebelrockrs

Mais informações:
www.facebook.com/requiemssathana
https://instagram.com/rexmendax

Crashkill: não perca uma entrevista com a banda no Metal com Batata

Foto: Paulo Eduardo

Sábado, dia 31 de outubro, o programa Metal com Batata da Mutante Rádio, vai ao ar com a Crashkill no bloco de entrevista. A fim de deixar o fã informado sobre o álbum “Consumed by Biomechanics” (2020), o baterista Buson “Drummer” respondeu as perguntas de Cristiano Batata. 

O programa que começará às 23h59 de sábado para domingo, também terá uma play list de bandas superlegais. Em síntese, a programação tocará músicas dos nomes Lonehunter, Daimonos, Fenrir’s Scars e Head Krusher. Além disso, não faltará sons do grupo cearense de Thrash Metal que, atualmente, compõe o segundo EP para lançar em breve.

A entrevista com a Crashkill no Metal com Batata é uma transmissão não apenas da Mutante Rádio, mas também das parceiras Live Rock, Rádio Exmera e Rádio Baixada Santista. Contudo, os dias e horários seguem em cronologia própria a cada ordem de programação. Confira:

Mutante Rádio: 31/10/2020, sábado, às 23h59 (https://www.mutanteradio.com)
Live Rock: 01/11/2020, domingo, às 17h00 (http://www.liverock.top)
Rádio Exmera: 02/11/2020, segunda-feira, às 18h00 (http://www.radioexmera.com)
Rádio Baixada Santista: 03/11/2020, terça-feira, às 21h00 (https://www.radiobaixadasantista.com.br)

Apoiam o programa Metal com Batata os canais Crash TV, Tour Rock Brasil e a assessoria Brauna Music Press – Comunicação Musical.

Curta a página do Metal com Batata e Stay Home Festival:
https://www.facebook.com/metalcombatata1975

Para conferir vídeos oficiais da Crashkill, bem como se inscrever no canal da banda:
https://bit.ly/youtubecrashkillthrash

Mais informações:
Facebook: https://www.facebook.com/crashkillthrash
Instagram: https://www.instagram.com/crashkillthrash

Aztlán: banda ingressa na mais nova plataforma de streaming Tocaia

Com o objetivo de aumentar ainda mais a visibilidade acerca do seu atual EP, “Entrance to Mictlán”, os baianos do Aztlán acabam de ingressar em mais um serviço de streaming.

Trata-se da plataforma brasileira, dedicada à música Underground, Tocaia, que disponibilizou gratuitamente este trabalho, podendo ser ouvido de forma online, além dos aplicativos para PC, Google Play e Amazon App Store, confira:

Aztlán – “Entrance to Mictlán”: http://tocaiaselo.com/album/511/aztlan/entrance-to-mictlan

Baixe o aplicativo aqui: http://tocaiaselo.com/pages/6/downloadpc

Encontre a banda nas demais plataformas digitais:

Spotify: https://open.spotify.com/album/4v35gTpBQZT0TKj57IqdiA
Deezer: https://www.deezer.com/br/album/120571412
iTunes: https://music.apple.com/br/album/entrance-to-mictl%C3%A1n-ep/1489215307
Claro música: https://www.claromusica.com/album/10104899/BR
Amazon Music: https://music.amazon.com.br/albums/B081ZLLYQX

Em outras notícias, o Aztlán concedeu uma entrevista ao programa Diário da Quarentena, onde, ao lado de nomes como Luiz Omar (Inner Call), Ronaldo Pitanga (Indominus) e Thauan (Eletric Poison), o baixista e vocalista Marcello “Paganus” Antunes falou um pouco mais sobre o Metal baiano dos anos 2000, assista:

Contato para shows (Presenciais ou Lives):
E-mail:
 aztlanalive@gmail.com
WhatsApp/Telegram: (46) 98838-7204 – Sangue Frio Produções

Imprensa interessada em resenhar ou entrevistar – de forma escrita, gravada ou em lives – a banda escreva para contato@sanguefrioproducoes.com ou diretamente pelo WhatsApp/Telegram pelo número (46) 98838-7204 e solicite o press kit.

Contato para assessoria de imprensa: www.sanguefrioproducoes.com/contato

Links relacionados:
https://www.facebook.com/aztlanalive/
https://www.instagram.com/aztlanalive/
https://www.youtube.com/channel/UCXJRmb9EU-i8aVbuMAqp5uQ
https://aztlanalive.bandcamp.com/
https://open.spotify.com/artist/3kdyjuRqlaxiRNfRS40N9U
https://www.deezer.com/br/artist/14243151
https://music.apple.com/br/artist/aztlan/1488171611
https://sanguefrioproducoes.com/artistas/AZTLAN/82

100 Dogmas: Rafhael Jorge é o primeiro convidado do “Palet Sessions”

Jotta Nastty é um vocalista, amante da música e da cultura em geral. Vocalista da banda Nastty Banda, criou o canal no Youtube chamado Nastty Flix, onde além de diversas viagens, registros, clipes de bandas, agora apresenta o programa Palet Sessions.

Para um primeiro programa, nada melhor do que um convidado especial, portanto, o convidado a estrear o programa foi o vocalista Rafhael Jorge da 100 Dogmas, conhecido e aclamado pela sua personalidade alegre e parceira, além de ser um músico e compositor como poucos.

O Palet Sessions tem como intuito convidar músicos locais de Blumenau/SC e também se houver a possibilidade, com músicos de todo o país que tenham essa disponibilidade. Com um ambiente agradável, o projeto já chama a atenção pelo bom astral do apresentador Jotta Nastty.

Durante o primeiro programa, Rafhael Jorge conta muitas curiosidades que envolvem a 100 Dogmas, desde composições até como é realizado os planejamentos da banda. Uma das pautas abordadas, foi o novo single “Sic Mundus Creatus Est” (ouça na íntegra no final da matéria) e além disso tudo, como será o futuro da 100 Dogmas com a troca de formação e incertezas pelo caminho. 

Assista ao Palet Sessions:

Ouça o single “Sic Mundus Creatus Est”:

Mais informações:
https://www.facebook.com/100dogmas/

M-19: grupo divulga relançamento do debut nas plataformas e entrevista para o site Rock Vibrations

M-19

Os thrashers gaúchos do M-19 acabam de relançar o debut Mission: Destroy nas plataformas digitais e divulgam uma entrevista para o site Rock Vibrations.

concedida pelo vocalista e baixista Wilmar Filho, onde o músico é abordado sobre o mais recente álbum, Sic Semper Tyrannis”. Com a agenda de shows adiada por causa da COVID-19, Wilmar Filho (baixo/vocal), Jr. Vives e Rógenes Morais (guitarras) e Rafael M. Kniest (bateria) se dedicam agora na divulgação do novo álbum, tido como um dos melhores lançamentos de 2019 por vários membros da imprensa especializada, fato que foi abordado na entrevista realizada por Vinny Almeida para o site Rock Vibrations:

“Nós lançamos o álbum no dia 7 de dezembro passado. Alguns dias depois estávamos figurando em algumas listas como melhores do ano. Isso realmente nos surpreendeu, pois praticamente não havíamos feito nenhuma divulgação do álbum. Conseguimos vender uma grande quantidade de CDs do álbum, não só na nossa cidade, como também em outros estados e no Uruguai e Argentina”.

M-19 - Mission Destroy

Ouça o álbum “Mission: Destroy” no Spotify:

 

Indagado por Vinny acerca do método de composição de Sic Semper Tyrannis”, Wilmar conta que há algumas diferenças em relação ao debut:

Nós o fizemos de forma diferente do anterior. No “Mission: Destroy” compusemos as músicas e as ensaiávamos exaustivamente para podermos gravá-las. No “Sic Semper Tyrannis“ criamos as músicas na guitarra e gravamos uma guia e passamos para o nosso baterista, que criou as batidas. Depois, passamos as músicas entre nós (cordas e vocais) e fomos para o estúdio gravar. Acredito que das músicas do último álbum, ensaiamos todos juntos apenas duas músicas, o restante só as passamos em casa, individualmente, e fomos direto para o estúdio gravar. E parece que funcionou”. 

m-19 - sic

Ouça o álbum “Sic Semper Tyrannis” no Spotify:

 

Confira a entrevista completa:
http://rockvibrationsofficial.blogspot.com/2020/05/rock-vibrations-entrevista-m-19.html

A banda deu início às gravações e produção de Sic Semper Tyrannis” em 2017, finalizando todo o processo no segundo semestre de 2019. Produzido por Sebastian Carsin, do Estúdio Hurricane, o grupo apresenta 11 faixas de um intenso Thrash Metal, destacando a música There Are No Murderers in Paradise”, que ganhou um videoclipe produzido pela Chama Video Independente. Lançado em formato físico no mês de dezembro de 2019 em conjunto pelos selos Cianeto, Som de Peso, EZR e Estúdio Hurricane, o álbum teve sua versão digital lançada pela Wargods Press em fevereiro passado, assim como Mission: Destroy, álbum de 2011 e agora novamente disponibilizado digitalmente.

Assista ao videoclipe de “There Are No Murderers in Paradise”:

Mais informações:
Facebook: https://www.facebook.com/M19ThrashMetal
Instagram: https://www.instagram.com/m19_thrash_metal
Assessoria de Imprensa: www.wargodspress.com.br

Sangue de Bode: grupo segue inovando na cena extrema com sua pegada experimental

sangue de bode

Sangue de Bode é uma banda de Metal extremo fundada na região serrana do Rio de Janeiro, no final de 2017, por João (Baixo e Voz), Fontes (Guitarra) e Gabriel (Bateria). Sem rédeas na língua e indo estritamente ao ponto, o trio aborda relatos, angústias, e uma realidade tão crua que até o melhor dos estômagos se esforça para digerir, apresentando uma atmosfera obscura e densa, sem perder a pegada experimental que o Sangue de Bode aborda em seu universo.
 
O power-trio lançou recentemente o disco “A sombra que me acompanhava era a mesma do Diabo”, através do selo Electric Funeral Records, material que contém 12 faixas bem resolvidas, que tratam desde dias conturbados à críticas sociais e revolta.
 
Confira aqui “A sombra que me acompanhava era a mesma do Diabo”: https://bit.ly/2vKa1es
 
A banda segue inovando na cena extrema com sua pegada experimental e letras agressivas em português, conquistando ouvintes e marcando seu nome no mercado musical brasileiro. Conversamos com a banda sobre influências, sua história, processo de composição do disco e planos futuros.
 
De onde vem o nome “Sangue de Bode”? O que levou a banda a esse nome?
 
SDB: Bom. Primeiramente um salve aí pra quem tá lendo, e acreditamos que a busca e intenção da banda é sempre explorar palavras e/ou conceitos que consigam soar agressivos e chocantes na língua portuguesa. Fora o fato de ser uma expressão bem sonora e já íntima nos ouvidos da maioria das pessoas, justamente por conta da sua ligação com temáticas ocultas, magia negra, e todo esse universo que todos na banda acham interessante. Vale dizer que também achamos Sangue de Bode um nome que nos ajuda a escapar de rótulos, assim como tentamos no som. Podemos ir do Black ao Punk sem ficar fora de contexto.
 
Como se deu o surgimento dela?
 
SDB: Nos apresentando pra quem não tá ligado, Somos Fontes, João e Gabriel. A amizade e relação musical já vem de longa data. Eu (João), conheço o Gabriel desde a época da escola e já participamos de bandas juntos. O Fontes eu já tinha contato por conta de gigs que dividimos o palco com nossos projetos antigos, isso algumas boas vezes. Em 2017 a ideia da banda surgiu, já com o nome e com alguns rascunhos do que seriam algumas músicas, mas ainda sem formação, só uma ideia minha e do Gabriel. Por acaso o Gabriel se mudou pro Rio em 2018 e sem nenhum intermédio meu, que era o único que conhecia bem os dois simultaneamente, ele acabou fazendo amizade com o Fontes. Quando eles perceberam que estavam na pilha real de agitar um projeto, cogitou-se meu nome, a gente resgatou aquelas idéias, obviamente mais bem alimentadas ainda com a soma do Fontes e estamos ai. A conexão dos amigos!
 
A banda acaba de lançar material novo. Como foi o processo de composição das faixas?
 
SDB: Foi bem espontâneo eu acredito. Todo mundo pescou a vibe do tipo de som que saía naturalmente das nossas idéias e execuções, como cabeças individuais que contribuem para a existência de uma banda. A gente se entende bem quanto a deixar a banda com a cara que cada um quer, é basicamente a mesma coisa haha. Rolou até bem rápido, a maioria dos riffs que eu escrevi foram feitos num violão qualquer, ou numa guitarra fudida e desligada 3h da manhã. Os riffs do Fontes nem sequer foram modificados, curtimos tanto que já viraram naturalmente músicas, acho que a gente se entende como guitarrista. E a bateria também é sem restrições. O Gabriel pega as guias e faz o que ele quer com os riffs, o que de praxe já causa aquela satisfação geral de quem tá ouvindo o conjunto de tudo exatamente como gostaria que fosse. A maioria das músicas são escritas e formuladas online, até por que não moramos tão perto. Quando a gente se junta pra ensaiar, aquele quebra cabeça acontece e pelo menos pra nós é muito satisfatório e natural. Acredito que é o tipo de som que cada um ali gostaria de estar tocando naquele momento mesmo.
 
O último disco lançado foi muito bem recebido. Podemos esperar clipe ou Tour em Breve?
 
SDB: Ficamos muito felizes com a recepção da galera que ouviu. Tantos os amigos que já tínhamos, quanto com a dos novos amigos que ainda estão sendo feitos por conta do som. A gente deu uma ralada pra concretizar o trabalho e não tem como não ficar satisfeito de ver como o pessoal tem curtido. Recebemos muitas mensagens maneiras e apoio de gente que até então não conhecíamos, e isso tem sido bem legal. Certamente temos planos pra jogar nossa ideia aí na pista, e nossa apresentação de estréia já ta com data marcada. Vai ser um rolê massa, então fiquem antenados que muito em breve vamos começar a divulgação. Recebemos propostas de parceria de uns amigos muito fodas pra fazer um clipe, que conheceram a gente através do Instagram, então vai rolar algo certamente, mas no momento estamos focados e animados mesmo pra tocar por aí. Já temos um clipe no YouTube, do nosso primeiro single, nós mesmos produzimos, então se quiser dar uma moral, saca lá.
 
Suas letras passam uma mensagem muito forte, de onde vêm as ideias para as composições? Existe alguma composição que é mais especial pra vocês?
 
SDB: Bom, respondendo essa pergunta de forma mais pessoal, fui eu (João) quem, pelo menos até agora, escrevi as letras da banda. Obviamente não faz sentido ter uma banda extrema sem se posicionar e criticar da forma mais escrota possível esse sistema de merda que engole a sociedade. É impossível fugir desse tema principalmente enquanto vivemos esses tempos sombrios ao redor do mundo, e pra nós, claro, especialmente no Brasil, nessa zona. Mas o álbum também passa por momentos que são muito pessoais pra mim. Rolaram coisas na minha trajetória nessa vida aí até hoje, que ninguém tá preparado pra lidar sabe, mas podem acontecer, tem que ver qual é, e infelizmente eu vi. Se você ler algumas letras acho que dá pra sacar que não foi muito legal o que eu vi né haha. Essas letras tem muito do meu pai, da forma brutal que o perdi, e de tudo que se passou até que a perda ocorresse de fato. Perder um pai já não é algo que se supera por inteiro, pra ninguém, de forma brutal, menos ainda. No início do processo de formação da banda, ainda com essa ferida aberta e muito recente, recebi a notícia do suicídio de um dos meus melhores amigos, e isso foi muita barra também. Eu procuro ser um cara de boa no dia a dia, mas acredito que encontrei finalmente uma maneira agressiva o suficiente pra berrar as minhas merdas volta e meia e aliviar a mente nos momentos que ela quer ser minha inimiga. Escrever essas merdas acho que tem sido o melhor tratamento contra minha depressão nos últimos anos. O Gabriel me ajudou com algumas edições em palavras e frases, pra que a gente sempre conseguisse passar a mensagem espremendo o que de mais agressivo pudesse ser tirado do português. Acho que é isso. Ah, e quanto às músicas preferidas, eu gosto muito de Chafariz de Sangue. É a música mais pessoal do álbum pra mim, foi a mais difícil de cantar na gravação por conta de lembranças, mas depois de pronta pra mim é a mais verdadeira. Não posso falar pelos mulekes, mas pelas reações deles quando ouvimos o álbum pela primeira vez, eu acredito que seja Messias de Merda ou Filho de um Manequim.
 
Quais as bandas e fontes artísticas que inspiram o som da banda?
 
SDB: Algumas referências são unânimes e claramente nítidas no nosso som. Mayhem, Napalm Death, Nasum, Ratos e Morbid Angel são bandas por exemplo que certamente estão na escola de todos nós. Isso pra não ficar aqui 3 dias falando da galera toda né. Mas existe muito influência pessoal de cada um nisso também, quanto à ser uma banda. Eu e o Fontes talvez sejamos mais da escola do Thrash do que o Gabriel por exemplo, mas O Fontes já traz uma influência de Doom, mesmo que em melodias de riffs rápidos, que já tem mais intimidade com o Gabriel, e eu já não sou tão familiarizado. O Gabriel já é um cara que escuta coisas muito extremas, me apresenta várias bandas de black fodas, e ele também é muito ligado nas coisas modernas, mas também compartilha gostos comigo como Deftones, Smiths. Eu já sou um cara muito influenciado pela obra do Max Cavalera, curto pra caralho, então acho que tudo isso no fim das contas faz acontecer.
 
Quais os planos para 2020?
 
SDB: Agora que estamos com esse material lançado a intenção é caçar os roles e tocar por aí. Essa é a meta. Já temos mais sons escritos, pelo visto não vamos parar tão cedo com esse lado, mas O foco agora é tocar e disseminar essa desgraçeira por aí. No meio das merdas que a gente posta lá nas redes tem tudo. Caso alguém queira só conferir lá.
 
Mais informações:
Phone: +55 21 996292220