Clutch: ícone mundial do Hard Rock/Stoner, volta ao Brasil em abril de 2020

Clutch_photo_2018

Cultuada banda norte-americana faz show único em São Paulo, dia 26/4, para divulgar o aclamado disco “Book of Bad Decisions”

O Clutch é cult. Desde a década de 1990 na estrada e com 12 discos lançados, é nome recorrente da cena Hard Rock/Stoner mundial – do alto escalão! É o tipo de banda que está sempre em voga na grande mídia especializada, que recebe altas notas e coleciona elogios nas resenhas de álbuns e apresentações ao vivo, além de andar no mesmo hall dos figurões do Kyuss, Truckfigters, Red Fang e Monster Magnet, sempre com suporte de produtores requisitados em estúdio. E está de volta ao Brasil, dia 26 de abril de 2020, para show único em São Paulo, no Fabrique Club. A realização é da Powerline Music & Books junto à Abraxas.

O retorno do Clutch ao Brasil acontece seis anos após a apresentação em chamas da banda – em 2014 – no festival Converse Rubber Tracks, em São Paulo, junto à também norte-americana The Sword. À época, o Stoner ganhava espaço no país e este evento ajudou a consolidar o cenário ao estilo. Não à toa aquele show do Clutch é ainda comentado pelos fãs. A espera, enfim, terminou.

A nova passagem pela capital paulista é anunciada em boa hora, com o Clutch com mesmo o brio e peso dos velhos tempos. É a turnê do 12º disco, “Book of Bad Decisions”, lançado em 2018 e que, somente na primeira semana disponível no mercado, vendeu mais de 26 mil cópias nos Estados Unidos, o que rendeu à banda o terceiro Top 20 consecutivo na Billboard 200.

Book of Bad Decisions, tão sólido e impactante quanto o já clássico Earth Rocker (de 2013, eleito pela Metal Hammer como o melhor disco daquele ano), foi gravado no famoso Sputnik Sound, em Nashville (Tennessee), com o premiado produtor Vance Powell, o homem que carrega consigo seis Grammys e a mente criativa por trás de disco de Jack White, The Raconteurs e Arctic Monkeys.

O Clutch chega ao ano de 2020 como potência do Rock. Começou em 1990, em Maryland (EUA), e chegou a lançar o primeiro EP – Pitchfork – pela primeira gravadora do Metallica, a Megaforce Records; desde então, se mantém na ativa com composições bombásticas, que mistura Stoner Rock, Blues, Hard, Rock n’ Roll a la Mortorhëad (um dos hits, “One Eye Dollar”, já foi considerada o “Ace of Spades” do Clutch pelo lendário e saudoso Lemmy Kilmister, do Motörhead) e tem até mesmo uma pitada de country. O groove é marcante, seja no instrumental refinado como no vocal enérgico de Neil Fallon.

Nem mesmo começou e a agenda de shows internacionais de 2020 no Brasil já está repleta de atrações imperdíveis e lendárias, como Black Flag dia 8/3 e Converge dia 21/3 (ambos no Carioca Club, em São Paulo), e certamente o do Clutch também merece destaque e um grande público para prestigiar este aguardado retorno do quarteto à capital paulista.

Além de São Paulo, a turnê sul-americana do Clutch passa pela Argentina dia 28/4 (Uniclub, em Buenos Aires) e dia 30/4 no Chile (Club Chocolate, em Santiago).

IG SAOPAULO VERTICAL POST

Serviço:
Clutch em São Paulo dia 26/4 no Fabrique Club
Evento: https://www.facebook.com/events/2935176716501026/
Data: 26 de abril de 2020
Local: Fabrique Club (rua Barra Funda 1071, Barra Funda/SP)
Ingresso: R$ 110 (1º lote | meia promocional e estudante)
Venda online: https://pixelticket.com.br/eventos/4981/clutch-em-sao-paulo-sp
Venda física: Locomotiva Discos (rua Barão de Itapetininga, 37 – SP/SP)
Classificação etária: 16 anos

Monday Riders: novo single lançado, escute a envolvente, “Hold Your Fire”

Monday Riders - Hold Your Fire

Novo single de uma das bandas mais incríveis do estado de Goiás, a Monday Riders, acaba de ser oficialmente lançada em todas as plataformas digitais.

“Hold Your Fire” é a terceira música que a banda apresenta aos seus fãs, antecedendo o lançamento de seu próximo disco de estúdio. Com linhas cadenciadas e carregada de Groove, a faixa é uma mescla perfeita entre Rock and Roll e Hard Rock, que irá fazer todos mexerem os esqueletos, tamanho o swing imposto de forma primorosa em todo o andamento da canção.

A faixa é um lançamento do selo digital Roadie Metal, que disponibiliza o conteúdo para todos os usuários de Spotify, Deezer, ITunes, Apple Music, Amazon e várias outras plataformas.

Confira abaixo pelo Spotify:

https://open.spotify.com/track/2nh8StKLYpn6DDsI8yE2sW?si=fKEnSib1SlqD0KovxlCeYw

Em breve detalhes e informações acerca do lançamento do full, “Blood, Fire and Gasoline”, serão devidamente comunicados pela Monday Riders.

Monday Riders é formado por:
Jairo Resenrods – Vocal
Marco de Sensi – Guitarra
Wagner Felix – Baixo
Paulo Meneses – Bateria
 
Mais informações:

Barril De Pólvora: grupo libera mais um vídeo de bastidores do novo álbum

barrildepolvora

O trabalho de composição para o novo álbum da Barril De Pólvora está em ritmo acelerado. Antes de entrar em estúdio a banda formada por Flávio Drager (vocal), Emerson Martins (guitarra), Saulo Santos (baixo) e Alexis Bomfim (bateria) acerta os últimos detalhes das músicas no “Porão do Rock”, que é o home studio de ensaio do grupo. Confira no vídeo postado em seu Facebook:

 

Para ouvir o álbum “Barril de Pólvora” (2018) via streaming, acesse:
 
Links relacionados:
 
Confira os vídeos oficiais no YouTube, aproveite e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/channel/UCmv0bIRNfxo2IyEWywfTsVw/videos
 
Para levar a Barril De Pólvora à sua cidade:
+55 (85) 9.9690-7536

Bruma: banda soteropolitana de Hard, Folk, Rock lança single inédito

Bruma_11092019_stduio2_4574

A banda Bruma é oriunda da capital baiana, trazendo no seu som as combinações de timbres do Hard Rock, com influências do Blues e bases melódicas do Folk, que fazem uma parede de som repleta de acordes abertos somados a um vocal visceral.

A veia artística do grupo se baseia nas composições de personalidade lírica muito forte. As indagações mundanas que cercam a humanidade, os anseios e receios da vida, os romances e nuances que compõem a nossa história: tudo é visto como música aos olhos da banda e traduzido na verdade crua do Rock.

No final de 2018 lançou seu primeiro EP “Um Pouco Tarde Para Chegar Cedo”, disponível em todas as plataformas de música. Em 2019 a banda participou do Festival Palco do Rock (Salvador), e é nesse embalo que prepara um segundo semestre repleto de parcerias em Salvador e no interior.

Visualização da imagem

Ouça o disco:

 

A Bruma idealizadora e realizadora do “Festival Rock n’ Booze”, projeto que tem como objetivo movimentar a cena baiana e integrar bandas de diferentes cidades. Em 2019 o evento teve sua terceira edição, na cidade de Feira de Santana e a quarta edição em Salvador, no mês de setembro.

Bruma é formado por:
Kiko Albuquerque – Vocal/Baixo
Ciro Sarno – Guitarra/Vocal de Apoio
Enrique Araújo – Guitarra/Vocal de Apoio
Bispo Filho – Bateria
 
Assessoria de imprensa: rockfreeday@gmail.com
 
Mais informações:

Dogma Blue: grupo lança lyric vídeo da faixa “Quietus”

Dogma Blue 10

Após o lançamento de seu primeiro EP “Quietus”, o Dogma Blue, apresenta o lyric vídeo da música que carrega o nome do disco.

A obra visual foi elaborada por Marcelo Silva e Rômulo Dias, dois artistas que estão se destacando por trabalhos incríveis e autênticos. A ideia central do Lyric de “Quietus”, é apresentar ao público, o ambiente da capa do disco, onde os planos de fundo vão se alternando e criando uma atmosfera impactante.

O vídeo acaba de ser liberado no canal do Dogma Blue e você confere acessando o link abaixo:

Formação:
Marcelo Paes – Vocal
Tales Ribeiro – Guitarra
Rodrigo Kolb – Guitarra
Roberto Greboggy – Baixo
André Prevedello – Bateria
 
Mais informações:

Seu Juvenal: grupo anuncia novo disco “Brincando com Ódio”

Seu Juvenal 2019

Com recursos do edital Funcult, o sucessor do elogiado “Rock Errado” de 2015 começa a ser gravado em Novembro no renomado estúdio Sonastério em Nova Lima/MG

“Brincando com ódio será um disco dos dias de hoje. Essa época onde o amor é menos popular.”É assim que o baterista Renato Zaca define, em linhas gerais, “Brincando com Ódio”, o novo álbum de estúdio do grupo mineiro de Rock errado Seu Juvenal.

“Brincando com Ódio” será sucessor do elogiado “Rock Errado” de 2015 e reunirá oito músicas. Todas as faixas serão gravadas ao vivo, a partir de Novembro, no estúdio Sonastério em Nova Lima/MG, um dos maiores estúdios em qualidade sonora e área construída do Brasil, por onde já passaram artistas renomados como Skank, Milton Nascimento, Ney Matogrosso, Seu Jorge, Criolo, Iza, Gal Costa, entre muitos outros.

“Brincando com Ódio” será financiado com recursos do Funcult, edital de fomento à produção artística e cultural do Fundo Municipal de Cultura de Ouro Preto/MG, do qual o Seu Juvenal foi vencedor.

Para o guitarrista Edson Zacca, “Brincando com Ódio” pretende consolidar uma busca sonora que vem desde o primeiro álbum do Seu Juvenal, “Guitarra de Pau Seco” de 2004.

“Optamos por gravar ao vivo em estúdio pois desde nosso primeiro álbum a intenção era produzir um disco que chegasse mais próximo possível da forma como o Seu Juvenal soa ao vivo. E uma grande referência para esse novo trabalho será nossa primeiro demo tape lançada em 1997, “Cyberjecas no Sertão da Farinha Podre”, cujas bases foram gravadas ao vivo em estúdio e que nos soa muito bem até hoje, passados 20 anos. Escolhemos também o Sonastério por ser um estúdio grande, plural em termos de tecnologia analógica, nos possibilitando uma gama de opções. Vamos atrás de uma sonoridade crua, punk, madura e verdadeira, que não se esconde atrás de plug-ins ou afinadores. Brincando com Ódio será um disco que mostrará uma banda real.”

“Brincando com Ódio” será lançado no primeiro semestre de 2020 tanto no formato físico (CD Digipack) como para todas as plataformas digitais de música. A capa será mais uma vez assinada pelo talentosíssimo artista plástico brasileiro Dinho Bento, responsável pela arte da capa do disco anterior “Rock Errado”.

Enquanto o novo álbum não é lançado, assista o videoclipe de “O Pior Cego”, o mais recente single do Seu Juvenal lançado no início do ano.

Além do guitarrista Edson Zacca e do baterista Renato Zaca, o Seu Juvenal também é formado pelo baixista Fabiano Minimim e pelo vocalista Bruno Bastos.

Mais Informações:
www.seujuvenal.com.br
www.facebook.com/seujuvenalmg
www.twitter.com/seujuvenalmg
www.soundcloud.com/seujuvenal
www.youtube.com/seujuvenalmg

 

Dirty Rats: grupo australiano apresenta nome e data de lançamento do novo disco “End in Tears”

Dirti

O grupo de Rock australiano Dirty Rats, está pronto para lançar o seu segundo álbum, “End in Tears”, e a data marcada para o lançamento foi a sexta-feira 13 de dezembro deste ano.

“End in Tears” apresenta 13 novas composições de puro Rock and Roll, os compositores Beovich/Rich, variam entre os hinos de Rock, canções para encher a cara de bebida e até alguns Blues da velha escola, apenas para agitar um pouco as coisas. Então, não tenha medo de Freddy, e comemore com 13 músicas de Hard Rock australiano nas veias.

O álbum será lançado apenas um ano após o incrível primeiro álbum “Rock N Roll. O Rock N Roll”, que recebeu ótimas críticas da imprensa especializada de todo o mundo. Confira algumas delas abaixo:

“Com o jogo de abertura ‘Not Alone’, tudo está claro, inevitavelmente se pensa no início do ROSE TATTOO. Mas AC / DC e THE ANGELS vêm no decorrer da temporada várias vezes em mente”  PowerMetal.de

“Tomando suas pistas da pátria óbvia pedras de toque de Rose Tattoo e AC / DC, eles misturam essas influências e outras em uma explosão brutal e sem barreiras, que abrange 9 faixas de hard rock de primeira linha.De frente aos vocais poderosos de Wayne Rich, o backup vem na forma de uma formação clássica de guitarra-baixo-bateria, com riffs sujos de Chooka, baixo de quatro cordas de Jamie Beovich e bateria chocante, cortesia de Andy ”  Rock And Roll Traffic

Dirty Rats é uma banda de Rock australiana muito ativa na cena desde os pubs de Melbourne, nos meados e final dos anos 80. Tocando em celeiros de cerveja e clubes da capital do país Victoria. Nos últimos 30 anos, a banda desenvolveu um som tipicamente Hard Rock australiano, pense no AC/DC, Rose Tattoo. Mas ouça atentamente influências de MC5, Motorhead e até mesmo algum Punk Rock podem ser notadas. Desenvolveram uma base de fãs leais na Austrália e no exterior, com base em seu primeiro álbum aclamado pela crítica, “Rock n Roll”, e shows de alta energia, pouco dinheiro, pouco reconhecimento da indústria, mas puramente pelo prazer de tocar “bolas ao som”. parede ” Rock.

Após numerosas mudanças na formação, o grupo segue estável e com uma peça mais enxuto, Jamie Beovich (baixo) Wayne (Richie Rat) Rich (vocal), Anthony (Chooka) Chapple (guitarra) e Andy Thomson na bateria. O Dirty Rats é uma banda magra e explosiva de 4 peças, lançando algumas das melhores novas guitarras de Rock, com um sabor único dos anos 80, que você ouvirá hoje.

Links relacionados: