Broken Gate: Rock Duo, Riff e pouco pragmatismo em álbum de estreia lançado pela Dinamite Records

São Paulo, 3 de março de 2021. A Broken Gate acabou de lançar seu primeiro álbum “Fake North”, via Dinamite Records. Diretamente de Juiz de Fora, a Broken Gate é mais um duo que entra para o catálogo do Dinamite Records, que já conta com grandes duos como Little Quake, Color For Shane, Sleeping Sapiens e Blizterin Sun’.

Guitarras cheias de fuzz, riffs marcantes e andamentos dinâmicos dão o tom do novo trabalho da banda, “Fake North”, onde João Vicente Novaes (guitarra/voz) e Leandro Lim a (bateria) mostram a que vieram, saindo do senso comum e apresentando um Rock a sua maneira. Com dez faixas que falam sobre conflitos internos e interpessoais, o álbum traz letras que tratam de aspectos críticos da vida que fazem a pessoa alternar entre se encontrar e se perder ao longo de sua história.

Com influências de bandas como The Black Keys, The White Stripes, Royal Blood, Jack White, Queens of the Stone Age e Black Pistol Fire, a banda vai do Delta Blues ao Stoner Rock em um álbum que se mantém no Rock mas sai do comum e que promete ser um dos grandes trabalhos de 2021.

Gravado antes da pandemia de COVID-19, o álbum teve três singles lançados em 2020. Em 2021, com a estreia de seu primeiro álbum, o rumo da Broken Gate aponta para o “Fake North”, com a confiança de que essa direção pode levá-los ao caminho que desejam trilhar.

Mais informações:
http://bit.ly/brokengateband
http://bit.ly/Fakenorth
https://www.facebook.com/brokengateband/
http://www.instagram.com/brokengateband

Hard Power United: festival reúne bandas internacionais em prol da causa indígena

20 bandas de 6 países celebram o Hard Rock em evento online beneficente

O festival online beneficente Hard Power United está agendado para acontecer no dia 18 de abril, pelo canal do Youtube Alma Hard. A proposta do evento é prestar auxílio ao povo nativo de comunidades de Curitiba e região metropolitana, além de áreas em Morretes e Antonina. O festival, que recebe o codinome “Origins Edition”, olha para os indígenas, isolados territorialmente e também pelo olhar dos governantes sobre suas necessidades.

A data do evento não foi escolhida por acaso: 18 de abril é véspera do Dia do Índio, o que reforça seu foco na ação social. O festival reunirá vinte bandas, oriundas de seis países de América do Sul e do Norte, Europa, África e Oceania. A organização do evento clama pela audiência dos fãs de hard rock e também do apoio nas redes sociais, para amplificar o resultado das arrecadações. As doações durante a transmissão serão feitas via QR Code. Outras doações podem ser realizadas, a qualquer momento, como alimentos, roupas, calçados ou materiais de limpeza, mediante contato com a produção.

A organização e curadoria do evento é do produtor e movimentador cultural curitibano Darlan de Freitas, que já realizou diversos shows que uniam bandas e ações sociais, como o “Uma Festa Animal”, realizado no Jokers, que coletou ração para ONGs que cuidam de animais abandonados. O apoio cultural é da Iraí Futebol e Eventos, de Pinhais/PR.

Onze bandas brasileiras integram a programação do festival: as curitibanas Hot Foxxy, Sex’n’Roll, Landfall e Electric Mob (ambas com contrato com a gravadora italiana Frontiers), além de Lionheart, Marenna, Meister, Inluzt, Bastardz, Sixty Nine Crash, Sioux66 (que se apresentou no último Rock in Rio) e Nanquin.

Grupos de outros cinco países também se apresentam no Hard Power United. O representante de Sleazy Rock da Austrália é o Snake Bite Whisky. De Portugal, participam o Affäire e Tones of Rock. Dos Estados Unidos, Wild Street e o Red Devil Vortex, que conta com integrantes brasileiros radicados na América do Norte.  Da Africa do Sul vem o L.A. Cobra. Completam a formação a trinca chilena Hunter, Nazty Gunz e Exxocet.

Confira as atrações:
Marenna – Meister (RS/RJ)
Sex ‘N’ Roll (PR)
Inluzt (SP)
Hunter (Chile)
Bastardz (SP)
Nazty Gunz (Chile)
Wildstreet (New York – Estados Unidos)
Hot Foxxy (PR)
Affäire (Lisboa – Portugal)
Sioux 66 (SP)
Lionheart (RJ)
Nanquin (SP)
Snake Bite Whisky (Brisbane – Austrália)
Sixty Nine Crash (RJ)
Tones of Rock (Sintra – Portugal)
Landfall (PR)
Exxocet (Chile)
Electric Mob (PR)
Red Devil Vortex (Los Angeles – Estados Unidos)
L.A. Cobra (Pretória – África do Sul)

Serviço:
Hard Power United Online
Data: 18 de abril de 2021 (Domingo)
Horário: 16h
Transmissão: https://www.youtube.com/AlmaHardCanal
Doações: via QR Code ou em contato com a produção

Mais informações:
Instagram: 
https://www.instagram.com/hardpowerunited
Facebook: https://www.facebook.com/events/417717495982474

Suck This Punch: grupo divulga título, tracklist e capa de seu segundo e novo álbum de estúdio

“The Evil On All Of Us” está sendo financiado pelo Edital de Apoio à Produção Cultural de Araras e será lançado em Abril pela Voice Music

Formado por Tadeu Bon Scott (vocal), Phil Seven (guitarra), Matheus Bonon (baixo) e Giacomo Bianchi (bateria), o Suck This Punch surgiu na cidade de Limeira, interior de São Paulo, em 2015. O primeiro álbum, intitulado “Fire, Cold And Steel”, saiu no mesmo ano, reunindo 10 composições próprias de uma sonoridade bastante original: uma releitura do Classic Rock pela perspectiva do peso e agressividade do Thrash Metal contemporâneo.  

Depois de cinco anos de shows em várias regiões do Brasil, o Suck This Punch retornou aos estúdios para a gravação de dois novos single, “Alone” – lançado na primeira edição do “Roadie Crew – Online Festival” – e mais recentemente “Shout It Out”. Ambas estarão no tracklist do segundo e novo álbum de estúdio que a banda vem agora anunciar: “The Evil On All Of Us”.

“The Evil On All Of Us” está sendo gravado no Nock Studio Alive em Limeira com produção de Marcos Nock. O financiamento é através do Edital de Apoio à Produção Cultural de Araras (Lei Aldir Blanc). Reunirá nove faixas, incluindo os dois singles: “Machines”, “You’re The Best Gun (Against The System)”, “Alone”, “Just Follows”, “Shout It Out”, “We All Live In a Hole”, “Coward”, “Blindman” e “Sons Of War”.

De acordo com o vocalista Tadeu “Bon Scott”, as composições de “The Evil On All Of Us” são contextualizadas a partir da ideia de mal em que o homem é tanto agente como vítima.
“Trata sobre o mal que está sob o homem e também sobre o mal que ele cria para si e para os outras pessoas. Toda a angustia, mágoa, depressão, raiva e temores que são guardados e enterrados do qual acaba criando monstros, pessoas perdidas que acabam se tornando alienadas, escravas de um sistema que suga seu tempo e suas mentes, e as tornam cegas, sem direitos à pensar ou ter uma opinião sobre algo. Muitas vezes essas pessoas se escondem atrás de máscaras, fingindo um mundo perfeito de uma mente em caos e barulhenta. Mas o que ela não entende é que a melhor arma contra todo esse sistema em caos é ela mesma.”

A arte da capa de “The Evil On All Of Us” é mais uma vez assinada pela artista plástica Juh Leidl que já havia trabalhado com a banda nas capas dos singles “Alone” e ”Shout It Out”.
“A grande artista Juh Leidl conseguiu, sem dúvidas, transmitir toda a essência e ideia do álbum. Esse contraste de branco e preto representa bem os opostos do mal sob o homem de que tratamos. Somado a isso temos também o mistério dos números cabalísticos, as letras misturadas, as abstrações de fumaça, da víbora e a figura demoníaca sob a face de nosso mascote ASH, entre outros detalhes que enriqueceram esse trabalho esplêndido”, comentou Tadeu “Bon Scott”.

“The Evil On All Of Us” será lançado em Abril pela Voice Music tanto em formato físico como para todas as plataformas digitais.

Enquanto o disco não é lançado, confiram os vídeos de ”Shout It Out”:

 E “Alone”:  

Mais Informações:
Facebook:
www.facebook.com/Suckthispunch
Instagram:
www.instagram.com/suckthispunch
Souncloud:
www.soundcloud.com/suckthispunch

Alice Cooper: lendário roqueiro lança seu novo álbum “Detroit Stories”, ouça na íntegra

Com o nome da cidade que lançou o grupo Alice Cooper original na estrada para o sucesso, “Detroit Stories” segue o EP “Breadcrumbs” lançado em 2019, como uma homenagem á moderna mais difícil e maluca cena Rock n Roll que já existiu.

Em 1970, o jovem produtor Bob Ezrin entrou em uma casa de fazenda nos arredores de Detroit para trabalhar com a banda Alice Cooper.  Abandonando o flower power de Los Angeles, porque eles eram o oposto do ideal hippie de paz e amor, Alice trouxe sua turma decididamente mais sombria de volta à sua terra natal para a lendária cena do Rock que deu origem ao Hard Rock, Rock de Garagem, Soul, Funk, Punk … e mais. Ezrin ensaiou a banda por 10 horas por dia para definir seu som característico. Sempre que eles tocavam uma música, os presidiários do hospital para criminosos loucos do outro lado da rua gritavam e, assim, o clássico som de Alice Cooper nasceu.

“Detroit era o Heavy Rock central na época”, explica Alice, “Você tocava no Eastown e seria Alice Cooper, Ted Nugent, The Stooges e The Who, por US $ 4! No próximo fim de semana no Grande era MC5, Brownsville Station e Fleetwood Mac, ou Savoy Brown ou Small Faces. Você não poderia ser uma banda de Soft-Rock ou teria seu traseiro chutado. “

“Los Angeles teve seu som com The Doors, Love e Buffalo Springfield” , diz ele,“São Francisco tinha o Grateful Dead e o Jefferson Airplane. Nova York teve The Rascals e The Velvet Underground. Mas Detroit foi o berço do Hard Rock raivoso. Depois de não se encaixar em nenhum lugar dos EUA (musicalmente ou em termos de imagem), Detroit foi o único lugar que reconheceu a guitarra de Alice Cooper, o som de Hard Rock e nosso show louco. Detroit era um paraíso para os rejeitados. E quando eles descobriram que eu nasci no leste de Detroit … estávamos em casa.”

50 anos depois, Alice e Ezrin reuniram alguns músicos lendários de Detroit em um estúdio de Detroit para gravar “Detroit Stories”, o álbum que celebra esse espírito para uma nova era. Se o EP “Breadcrumbs” de 2019 abriu o caminho para a cidade, “Detroit Stories” dirige como um muscle car pela Woodward Ave. Participam do disco o guitarrista do MC5, Wayne Kramer, o baterista do Detroit Wheels Johnny “Bee” Badanjek, o baixista de Jazz e R&B Paul Randolph, além do Motor City Horns. O trabalho foi lançado pela earMusic e já está disponível nas plataformas de streaming.

Tracklist:
1 – Rock ‘N’ Roll
2 – Go Man Go (Album Version)
3 – Our Love Will Change The World
4 – Social Debris
5 – $1000 High Heel Shoes
6 – Hail Mary
7 – Detroit City 2021 (Album Version)
8 – Drunk And In Love
9 – Independence Dave
10 – I Hate You
11 – Wonderful World
12 – Sister Anne (Album Version)
13 – Hanging On By A Thread (Don’t Give Up)
14 – Shut Up And Rock
15 – East Side Story (Album Version)

Ouça “Detroit Stories” o novo trabalho desta lenda do Rock:

Ouça o álbum pelo streaming: https://alicecooper.lnk.to/DetroitStories

Mais informações:
Site: https://alicecooper.com
Facebook: https://www.facebook.com/AliceCooper/
Instagram: https://www.instagram.com/alicecooper/
Twitter: https://twitter.com/alicecooper
Spotify: https://open.spotify.com/artist/3EhbVgyfGd7HkpsagwL9GS

Pappa Jack: grupo retrata pólos emocionais opostos em intenso clipe “Sentinela”

Foto: Igor França

A banda carioca Pappa Jack convida você a uma jornada emocional que vai a pólos extremos distintos – da euforia à fúria – em seu mais novo clipe, “Sentinela”. Após mostrarem sua intensidade como quarteto nos vídeos de “Renascer” e “Jovem Drama”, agora os músicos dão lugar à interpretação da atriz Julianna Firme sob direção de Doug Martins. Esta e as demais faixas fazem parte do EP “O Mundo Inteiro em Uma Noite”, já disponível nas plataformas de streaming.

A letra de “Sentinela” versa sobre demônios pessoais e questões de saúde mental com uma mensagem positiva de busca pela redenção. No clipe, essa dualidade ganha contornos mais intensos e abraça a ideia de que ninguém é apenas bom ou ruim – todos habitamos uma zona cinzenta onde pólos negativos e positivos vão se equilibrando para coexistir. Mas o otimismo prevalece, com a visão de que mesmo que o lado negativo ganhe por um determinado período, ainda existe o oposto, que pode vir a ser o predominante em outra fase. 

“‘Sentinela’ aborda a fé, a espiritualidade e a dificuldade de combater os próprios demônios. É uma música que alterna momentos tristes e suaves com passagens mais agitadas, tentando justamente transparecer que para sair de um estado de sofrimento é preciso gerar movimento, excitação. Dessa forma, mesmo falando sobre ansiedade e depressão, ‘Sentinela’ também leva a mensagem de que é possível ter a redenção, mas apenas através do autoconhecimento e da fé em si mesmo”, reflete o vocalista Lucas Sabrini. Além dele, a banda é formada por Thiago Abdallah (guitarra/ backing vocals), Jimmy Jr (guitarra),  Magori (bateria) e Hideki Yamada (baixo).

Assista ao videoclipe de “Sentinela”:

Assista ao videoclipe de “Jovem Drama”:

Assista ao videoclipe de “Renascer”:

Hard Rock e Metalcore, Blues e Pop Rock, Stoner e Country, Alternativo e Rap se encontram na sonoridade do Pappa Jack. “O Mundo Inteiro em Uma Noite” veio para somar à discografia do quarteto, que estreou em 2016 com o EP “Suburbana Boulevard”, trabalho que rendeu à banda seus primeiros shows e estabeleceu uma identidade para a sua sonoridade. Após um período de transição que marcou o fim do ciclo desse primeiro álbum e mudanças na formação, o grupo voltou ao estúdio e se reinventou. 

O resultado é o novo EP, lançado no final de 2020 e que teve produção musical do guitarrista Thiago Abdallah e masterização de Diogo Macedo. “O Mundo Inteiro em Uma Noite” já está disponível para audição nas principais plataformas de streaming de música, e o clipe, no canal de YouTube da banda.

Ouça “O Mundo Inteiro em Uma Noite”:

http://bit.ly/PappaJackEP

Pappa Jack é foormado por:
Lucas Sabrini – Vocal
Thiago Abdallah – Guitarra/Backing Vocals
Jimmy Jr – Guitarra
Hideki Yamada – Baixo
Magori – Bateria

Mais informações:
https://www.facebook.com/pappajackoficial/
https://www.youtube.com/pappajack
https://www.instagram.com/pappajackoficial/
http://www.twitter.com/bandapappajack

Aline Happ: lança versão inédita de “The Mandalorian”

O universo de Star Wars e as suas histórias sempre inspiram aqueles que o buscam. Na música, foi a série The Mandalorian (Disney+) que inspirou Aline Happ, vocalista do Lyria, a criar. A trilha sonora dos créditos finais ganhou contornos vocais da cantora, que combinou o canto lírico com os arranjos orquestrais da canção. O formato inovador é o primeiro a ser feito no mundo, o que demonstra a criatividade da artista.

A vocalista Aline Happ explica que a ideia de vocalizar a trilha sonora de “Mandalorian” surgiu enquanto assistia à série: “pensei que daria uma boa versão, mesmo sem letra. A parte instrumental é altamente cantável, então, pensei em fazer algo com a voz.”, conta.

Elemento de adoração entre os fãs do universo Star Wars, “The Mandalorian” também é uma das preferidas da cantora: “Estou gostando muito mais dessa série do que dos filmes do Star Wars e meus personagens favoritos com certeza são o Baby Yoda (Grogu) e o próprio Mandaloriano.”, elogia Aline Happ.

A série “The Mandalorian” estreou em 2019 no serviço de streaming Disney+ e imediatamente arrebatou os fãs da trilogia clássica de Star Wars. Dirigido por John Favreau, a série conta a saga de um caçador de recompensas espacial, Din Djarin, um mandaloriano, raça conhecida pelos fãs graças ao Boba Fett, da trilogia original. A história acompanha o pistoleiro e seu parceiro Grogu, apelidado carinhosamente de “Baby Yoda”, que precisa retornar ao seu lugar.

Os vídeos postados no canal de Aline Happ contam com o apoio de fãs no Patreon e no Padrim. Conhecidos mundialmente, o Lyria é uma banda carioca fundada em 2012 por Aline Happ. De lá pra cá, o grupo lançou dois discos com apoio de crowdfunding, Catharsis (2014) e Immersion (2018) e tocou em diversas cidades brasileiras como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, São Paulo, entre outras.

Assista a versão de “The Mandalorian”:

Campanha para o álbum solo

A campanha para o lançamento do primeiro disco solo de Aline Happ, que contará com versões Folk de músicas do Rock, foi um sucesso! Com arrecadação de mais de 200% da meta, em breve a artista divulgará os próximos passos em relação ao álbum e as recompensas adquiridas durante o financiamento coletivo.

Mais informações:
Instagram: https://bit.ly/alinehappinstagram
Facebook: https://bit.ly/alinehappfb
Lyria: https://linktr.ee/lyriaband

Hot Foxxy: grupo realiza live pelo Tendência Rock para promover novo single

Banda de Hard Rock de Curitiba apresenta lançamento baseado em um amor de verão

A banda de Hard Rock Hot Foxxy, sediada em Curitiba, tem novidades para o mês de dezembro. O quinteto vai soltar o single “Summer Love”, que como o título sugere, fala dos amores de verão. A canção foi gravada, mixada e masterizada no Funds House, com o renomado produtor Aly Fioren. O trabalho chega às principais plataformas de streaming digital em 04 de dezembro.

Na mesma data, o grupo fará uma live especial, no palco do lendário 92Graus – The Underground Pub, através do projeto Tendência Rock. Faça o pre-save do novo single da Hot Foxxy, “Summer Love”, para ser notificado quando a canção estiver disponível: https://ps.onerpm.com/9095798909

A Hot Foxxy foi formada em 2013, na cidade tem um álbum lançado, Burning Bridges, de 2017, e no ano passado, lançou o single “Rock’n’ Rol lis Alive”, com produção de Matt Star, baterista do Mr. Big e Ace Frehley. Um EP, “Tattooed Girl”, de 2015, completa a discografia do grupo até o momento.

Ouça a Hot Foxxy pelo streaming:
Spotify: https://open.spotify.com/artist/24Iajm0F0xT1tQ5Ppwnyoc
Deezer: https://www.deezer.com/en/artist/9039804
Apple: https://music.apple.com/br/artist/hot-foxxy/1047935297

Acompanhe a live nos canais do Tendência Rock:
YouTube: https://www.youtube.com/tendenciarock
Facebook: https://www.facebook.com/tendenciarockcuritiba

Hot Foxxy é formado por:
Marco D’Lacerda – Vocal
Bruno Menta – Guitarra
Eder Erig – Guitarra
Betão Boss – Baixo
Ismail Masri – Bateria

Mais informações:
Facebook: https://www.facebook.com/HotFoxxy
Instagram: https://www.instagram.com/hotfoxxy
YouTube: https://bit.ly/37iEiQF

Concreto Armado: grupo lança single e clipe de “Não Seja Um Lambe Botas”, música aborda o retrocesso e fascismo que vivemos em nosso país

Portando palavras e munida do velho Rock’n Roll como atitude, a Concreto Armado é uma banda autoral e independente de São Gonçalo-RJ. Influenciada pelo flow do rap, distorção do metal e a levada do funk, a Concreto Armado busca se comunicar com letras que abordam o cotidiano sensível, minado de opressões e contradições. 

O quinteto formado por Julius Brito (voz), Luiz Augusto (guitarra), Mayco Barroso (guitarra), Felipe Gonçalves (Baixo) e Raphael Teixeira (bateria), acaba de lançar o clipe e single “Não Seja Um Lambe Botas” em todas as plataformas de streaming. 

Ouça o single “Não Seja Um Lambe Botas” pelo Spotify: https://spoti.fi/36yrQM7

A faixa e clipe retratam uma briga antiga. As forças do retrocesso se manifestam e por vezes se põem em relevo. O medo da transformação radical que pode pôr fim à exploração do sistema capitalista toma diversas formas. Nesse contexto emerge a covardia e toda sorte de expurgos saem dos bueiros fétidos. O fascismo é isso, seu cheiro impregna o tecido social de tal forma que o ar se torna tóxico. É nessas horas que é preciso gritar e se impor perante esses espíritos vis. Em 2018 um idiota travestido de “líder” autoritário deu voz a um pensamento que condensa o retrocesso em seu grau máximo. No entanto, a força dos que não se calam perante qualquer forma de covardia tem muito mais potência que os amedrontados gritadores da desgraça, do preconceito, da ignorância, do desespero. É neste contexto que a Concreto Armado lança o single “Não Seja Um Lambe Botas”. Estamos atentos e somos mais fortes do que a ignorância dos canalhas odiosos e covardes, que transformam a insegurança em agressividade, mas quando olham no espelho sentem medo. 

Assista ao videoclipe de “Não Seja Um Lambe Botas”:

Ficha Técnica:
Produção Geral: Em rede Produções
Direção: Hellen Assis
Direção de Fotografia: Bruno César
Produção Executiva: Humberto Netto
Cenografia: Flávia Moacir
Iluminação: Bruno Morpheo
Gravação, mixagem e masterização: Diogo Nascimento

Concreto Armado é formado por:
Julius Brito – Vocal
Luiz Augusto – Guitarra
Mayco Barroso – Guitarra
Felipe Gonçalves – Baixo
Raphael Teixeira – Bateria

Mais informações:
Site: https://www.concretoarmadooficial.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/bandaconcretoarmado/
Instagram: https://www.instagram.com/concretoarmadooficial/
Spotify: https://spoti.fi/2xJ9DNR
Deezer: https://bit.ly/2LkTboI
Play Store: https://bit.ly/2xVdjfB
Youtube: https://bit.ly/2M4KPCK

Autoramas: grupo lança o álbum “B-Sides & Extras Vol. 1”

Idealizado durante o período de isolamento social, o Autoramas lança o álbum “B-Sides & Extras Vol. 1”, com 10 faixas de um compilado de músicas. Cada faixa com uma história. Algumas canções são inéditas ou foram lançadas apenas em vinil, outras são de participações em coletâneas e programas de TV, e também versões especiais para rádio e videoclipes.  

Com lançamento inteiramente digital, o álbum estará disponível na íntegra em todas as plataformas digitais nessa sexta-feira, dia 13. 

Ouça “B-Sides & Extras Vol. 1”:
https://ditto.fm/autoramas-bsides1

Confira abaixo a análise de todas as faixas:

1. Comida. Versão totalmente “Autoramas” de um clássico dos Titãs, gravada em 2020 e que nunca havia sido lançada. Essa versão foi tocada apenas nos Programas de TV Altas Horas e Versões, onde a banda cantou o repertório dos Titãs. Desde o Selo Banguela, Gabriel sempre teve uma relação próxima com a banda, que é considerada uma das mais importantes do rock nacional. Já a vocalista, Érika Martins, participou do show do Titãs no último Rock In Rio (2019) à convite da banda.

2. Blue Suede Shoes (Ao Vivo). Os Autoramas gravaram essa música de Carl Perkins no CD/DVD Rockin’ Days e passaram a tocá-la nos shows. Essa versão foi gravada ao vivo em São José dos Campos-SP no ano de 2005.

3. Chance. A música é uma sobra do álbum de 2003 “Nada Pode Parar os Autoramas”, e havia sido lançada em vinil 7 polegadas no Split Double Trouble com a banda The Tormento, uma parceria da Monstro Discos com o selo argentino Scatter Records.

4 e 5. Hotel Cervantes e Paciência. Para completar a parceria e grande amizade com os argentinos The Tormentos, Gabriel e Érika foram a Buenos Aires e cantaram esses dois clássicos dos Autoramas acompanhados pelos Tormento. Gravada em 2018, o resultado é ultra Surf.

6. Quando A Polícia Chegar (Acústico). Esse hit tocado em diversas rádios, chegando inclusive, a primeiro lugar em várias delas. Algumas pediram uma versão acústica e que foi gravada em 2016.

7. Meu Broto Aprendeu Karatê. Música gravada no ano de 2017 para sair num lado B de um compacto. Mas esse compacto virou um álbum e a canção não entrou, ficando assim perdida no repertório. Produzida pelo grande Luis Tissot no Caffeine Studio, agora ela encontra seu lugar no B-Sides & Extras Vol. 1.

8. Marketeiro (Ao Vivo na TramaVirtual). Os Autoramas foram ao estúdio da Trama para gravar 4 músicas para o programa de TV TramaVirtual, em 2007. Gravaram 4 músicas e 3 delas foram ao ar. Essa ficou de fora e só está disponível a partir de agora.

9. Música de Amor (Edit). Versão editada. Uma música que saiu originalmente no álbum “Nada Pode Parar os Autoramas” de 2003.

10. Carinha Triste (Edu K Remix). Carinha Triste foi lançada no ano 2000, quando a banda de Edu K, o DeFalla, estava estourada no Brasil com “Popozuda Rock’n’Roll”. Vivendo no Rio de Janeiro, Gabriel e Edu se tornaram amigos nessa época e Edu teve a ideia de fazer esse remix. O resultado é surpreendente. A versão só esteve disponível no perfil dos Autoramas na TramaVirtual e agora está de volta!

Mais informações:
https://ditto.fm/autoramas-bsides1
https://www.youtube.com/Autoramasoficial
https://www.instagram.com/autoramas/
https://www.facebook.com/autoramasoficial

Sixty-Nine Crash: disponibilizado lyric vídeo de “Burning Bridges”

Foto: Jay Roxx

Sétima  faixa do album “Postcards From The Black Sun”, 2º lançamento da banda carioca Sixty-Nine Crash, “Burning Bridges” brinda os ouvintes com  um Hard Rock enérgico e moderno, com incursões eletrônicas e acaba de ser lançada em formato áudio visual.

Produzido pelo vocalista Jay Roxx, o lyric vídeo de “Burning Bridges” vem de encontro com o que é passado pela letra da música, sobre a determinação que devemos ter em relacionamentos que vem e vão e que em um determinado ponto precisam passar pela hora da verdade, pelo ‘vai ou racha’ (risos)”. Sobre o aspecto visual em si, o músico completa que “gosto muito dessa questão do movimento, de cidade na noite, com seus brilhos e cores. Como a música tem um beat mais acelerado, quis que o vídeo trouxesse esse ponto também”.

Paralelo a isso, a banda tem trabalhado na produção de novos materiais, entre eles um EP de material inédito.

Confira o  lyric vídeo de “Burning Bridges”:

Sixty Nine Crash é formado por:
Jay Roxx – Vocal
Tande Novaes – Guitarra
Jedah Kineas – Baixo
Renato Larsen – Bateria

Mais informações:
Facebook: www.facebook.com/69crash
Instagram: @sixtyninecrash
Youtube: https://bit.ly/3nuwx1k